Conhecendo Niterói

Just another WordPress.com weblog

Arquivo de Uncategorized

Ilha de Boa Viagem: uma ilha, muitas histórias

Por Vinícius Moreira

Coadjuvante do Museu de Arte Contemporânea, a Ilha de Boa Viagem é um daqueles lugares que inspiram curiosidade quanto a sua função e história, seja pela mata densa que cobre sua superfície, seja pela pequenas construções que brotam do meio de suas árvores.

O primeiro registro da ilhota data de 1615 e foi feito pelo holandês Dierick Ruiters. Nos mapas dos séculos  XVII e XVIII, a Ilha de Boa Viagem era considerada um ponto de referência para os navegantes e representava a chegada a mares seguros.

Em 1650 foi construida a igreja localizada no centro da ilha, em homenagem à Nossa Senhora da Boa Viagem, que já passou por dois incêndios desde sua construção. Em 1663 foi construida a pequena fortificação voltada para a baía, que chegou a trocar tiros com a frota do corsário francês Duguay-Trouin, em 1710, e com a Fortaleza de Villegaignon, em 1893, durante a Revolta da Armada, sendo arrasado nas duas ocasiões.

Ilha de Boa Viagem

Ilha de Boa Viagem

Com o passar do tempo, a ilha foi transformada em posto de comando, escola de aprendizes, quartel e até prisão militar e após o fim da Segunda Guerra, passou para o controle dos escoteiros do mar, na figura do seu fundador, o almirante Benjamin Sodré.

Após a morte do almirante em 1982, sua filha, Maria Pérola Sodré passou a ser a guardiã da Ilha da Boa Viagem, que desde 1938 é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Se você quer conhecer este reduto cercado não apenas pelo verde, mas também por muitas histórias, agende sua visita, desde que com pelo menos 48h de antecedência, ou apareça por lá no último domingo de cada mês.

Endereço: Praia da Boa Viagem, s/nº – Boa Viagem.
Telefones: (21) 2710-6581 (Srª Maria Pérola Sodré), entre 12h e 14h.
Visitação: No último domingo do mês ou marcada com 48 horas de antecedência.
Ônibus: 47-A (Campus da UFF / circular) e 47-B (Campus UFF-MAC / circular).

Cultura e história no Ingá

museu-do-inga

Museu do Ingá

Por Camilla França

Ei! Você aí de Niterói! Olha a cultura e história bem pertinho de você! Todos os dias, diversos moradores de Niterói caminham pelas ruas do Ingá para ir ao mercado, à farmácia, resolver ou solucionar problemas e não se dão conta de tudo que está ao redor. Na rua Presidente Pedreira, nº78 – Ingá  está localizado o Museu do Ingá ( ou Palácio Nilo Peçanha), ex-sede do governo fluminense durante 71 anos (1904/1975). No Museu há cerca de 4.800 peças entre fotografias, esculturas, documentos, numismática, mobiliiário e porcelana.

No Palácio Nilo Peçanha a história do estado do Rio de Janeiro se mistura a história de Niterói. O museu, construído em 1860, foi sede de diversas reuniões do partido liberal do estado.  A cosntrução tem estilo neoclássio e, além de reuniões políticas, abrigou muitas celebrações da alta sociedade fluminense.

Conhecimento e cultura nao faltam. O monumento histórico é composto Museu Histórico do Estado Rio de Janeiro e o Museu de Arte e Tradições Populares. Para desfrutar um pouco mais da história e cultura fluminenses basta ir ao endereço Rua Presidente Pedreira, 78 – Ingá. A atração fica aberta de
terça a Sexta das 11h às 17h – Sab e Dom das 13h às 17h. O preço da entrada sai por R$ 2,00, exceto aos domingos quando a entrada é franca.


Aniversário de Niterói com vários eventos na cidade

Postado por Karine Amaral

Hoje, dia 22 de novembro, niterói comemora 435 anos de existência. E, para celebrar tal número marcante, a cidade sorriso conta com diversas atrações para entreter seus moradores.

Hoje, as 20h no Teatro Municipal de niterói, a cantora Mart´nália mostra seu novo show no Teatro Popular de Niterói. O evento é gratuito e os portões estarão abetos a partir das 17h. Na próxima sexta-feira (28/11) é a vez do cantor Nando Reias agitar a cidade, tambem se apresentando no Teatro Popular. ambos os eventos são gratuitos.

No dia 24 de novembro, o coral das Meninas de Petrópolis participa do “Natal na Rua”. É a 13º edição do projeto, que acontecerá  em frente ao Teatro Municipal de Niterói.

Clique aqui para ver outros eventos gratuitos neste mês de novembro.

Igrejas de Niterói, um ode à arquitetura e ao seus tesouros históricos

Por Vinícius Moreira

Sendo religioso ou não, é impossível negar que a história de Niterói está intimamente ligada às igrejas que fazem parte desta cidade. São dezenas de pequenos redutos da cultura e da arquitetura portuguesa, colonial ou até mesmo barroca, que guardam tesouros de valor inestimável para a história do estado fluminense.

Passando pela Igreja de São Lourenço dos Índios, que com sua arquitetura jesuítica do século XVII é considerada o monumento da fundação de Niterói, até a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Cidade,  onde foi celebrada a primeira missa em comemoração a criação a Vila Real da Praia Grande, é possivel perceber a estreita relação entre a religião e a cidade sorriso.

Também temos a Basílica de Nossa Senhora Auxiliadora, localizada em Santa Rosa. Com um estilo Gótico e Árabe, a igreja abriga o maior órgão de tubos da América Latina e o quinto maior do mundo.

No entanto, uma capela de paredes grossas e janelas pequenas, erguida no alto de uma colina entre as praias de São Francisco e Charitas destaca-se das demais. A igreja de São Francisco Xavier, datada de meados do século XVII, abriga relíquias como a imagem de São Francisco Xavier laminada em ouro, a pia batismal feita de barro cozido pelos índios, os dois relógios de sol mais antigos do Brasil, ambos com a insígnia da Companhia de Jesus, além de uma imagem em pedra-sabão atribuída a Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho

Igreja de São Francisco Xavier

Igreja de São Francisco Xavier

.

Faça um tour pelas igrejas da cidade e entre nessa viagem pelos séculos XVII e XVVI, conhecendo as riquezas e histórias escondidas nestas pequenas construções.

Igreja de São Lourenço dos Índios
End: Praça General Rondon, s/nº – Morro de São Lourenço
Tel: 2622-2857
Visitação: com hora marcada.

Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Cidade
End: Rua da Conceição, 216 – Centro
Tel: 2717-0154
Visitação: 3ª à 6ª das 07 às 11h e das 14 às 18h.

Igreja de São Francisco Xavier
End: Av. Quintino Bocaiúva, s/nº São Francisco
Tel: 2711-1670
Visitação: 2ª à 6ª das 8 às 16h / Sáb. das 8 às 11h30min.

Basílica de Nossa Senhora Auxiliadora
End: Rua Santa Rosa, 207 – Santa Rosa
Tel: 2611-9858
Visitação: diária das 6 às 11h e das 15 às 20h.

Saco de São Francisco – Turismo e diversão em Niterói

Por Mariana Oliveira

Um linda enseada que compreende praias como São Francisco, Charitas e Jurujuba. É ali que está o bairro conhecido como Saco de São Francisco, cujo nome nasceu em homenagem à capela dedicada a este santo e também ao formato geográfico da enseada. A História mostra referências que datam o século XVII com cartas que detalham a geografia do bairro e também se referem à pesca sempre farta, que alimentou os primeiros habitantes indígenas e também os portugueses que se estabeleceram no local.

No século XXI, o bairro de São Francisco reúne alguns dos principais roteiros turísticos da cidade para a agitação noturna com dezenas de restaurantes e bares, que atraem públicos de todas as idades.

Os esportes náuticos também são um diferencial do Saco de São Francisco. Ali está localizado o Iate Clube Brasileiro, um dos mais antigos clubes náuticos do Brasil. Entre os esportes praticados estão a vela e motonáutica.

Para os turistas, vale a pena dizer que o transporte para o bairro inclui linhas de ônibus que saem do centro de Niterói e também a estação das barcas de Charitas.

Capela de São Francisco

Capela de São Francisco

Exibir mapa ampliado

Parque Nacional da Serra da Tiririca, um reduto verde no meio de Niterói

Por Vinícius Moreira

Você que conhece Niterói com certeza já ouviu falar das praias de Itacoatiara e Itaipuaçu. Se você for mais aventureiro, talvez já tenha visitado a Pedra do Elefante, o ponto mais alto de Niterói, ou o Costão de Itacoatiara, de onde é possível observar o pôr-do-sol mais belo da cidade. No entanto, provavelmente você não sabe que todas estas maravilhas naturais fazem parte do Parque Estadual da Serra da Tiririca.

Vista da Pedra do Elefante, o ponto mais alto de Niterói com 417 metros

Vista da Pedra do Elefante, o ponto mais alto de Niterói com 417 metros

Limite natural entre os municípios de Niterói e Maricá, a Serra da Tiririca começa entre as Praias de Itacoatiara e Itaipuaçu, estendendo-se até a rodovia Amaral Peixoto (BR-106) na divisa com São Gonçalo, numa área total de 2.400 hectares, incluindo uma faixa marinha. Nos relatos antigos aparece como Serra de Inoã ou de Maricá. O nome atual está relacionado às tiriricas – nome popular das plantas da família das cyperaceaes – que enchiam o caminho usado pelas tropas de burros como passagem.

Além de trilhas, de diversos tipos de dificuldade e vegetação, o parque possui um mirante e um córrego de fácil acesso, transformando o passeio em diversão para todos os tipos de público. Para mais informações sobre o que ver e fazer, clique aqui

Em 1991, por iniciativa da sociedade civil, passou a ser protegida por lei com a criação do Parque Nacional da Serra da Tiririca e, no ano seguinte, foi reconhecida pela Unesco como parte integrante da Reserva da Biosfera da Floresta Atlântica. Excelente local para caminhadas ecológicas, o Parque é administrado pelo Instituto Estadual de Florestas.

Rua Domingues Barboza, s/n – Recanto de Itaipuaçu – Niterói/RJ
Telefone: (21) 2638-4813

Clique aqui para fazer o download do mapa do parque
http://www.parqueserradatiririca.org/

12 anos de MAC


Post por Karine Amaral
O ponto turístico mais conhecido da cidade de Niterói faz aniversário em setembro. O MAC (Museu de Arte Contemporânea) completou no dia 2 de setembro, doze anos de existência. Por isso, o museu conta com uma programação ainda mais especial neste mês. Todos os eventos são gratuitos.
No próximo sábado, dia 13, haverá um encontro do público com os jogos de Michael Groisman, um dos criadores da exposição “Porta das Mãos”. A mostra traz 40 fotografias que mostram interação e reflexão entre as mãos. O artista propõe aos expectadores a descoberta de novos momentos com as mãos unidas através de dois dedos. As fotos são de autoria de Sung Pyo Hong. Ainda no sábado, a partir das 16h, no auditório do Museu haverá mais uma edição do Cine Olho, idealizado pela ONG Campus Avançado. O encontro é um ótimo lugar para aqueles que querem assistir e discutir sobre cinema e vídeo.

No dia 20, a partir da 13h, ocorre a 2ª Primavera dos Museus-2008, que terá como tema “Museus e o diálogo intercultural”. Os participantes poderão, entre outras atividades, experimentar os sons de instrumentos feitos com material reciclado e oficinas de criação plástica e linguagem corporal com participação de artistas e jovens coordenadores dos núcleos de ação social coordenados pelo MAC.

Por último, no dia 26 de setembro haverá um evento para apresentação da proposta do projeto Farol Cultural, um intercâmbio entre educadores da Noruega e do Brasil, visando a troca de métodos e idéias arte educativas entre artistas e profissionais de educação. Os educadores irão participar das oficinas de criação sonora e plástica e ver os resultados do trabalho que vem sendo desenvolvido, tanto na Noruega como nas escolas da fundação Municipal de educação de Niterói.
MAC – Museu de Arte Contemporânea de Niterói
De terça a domingo das 10h às 18h
A bilheteria encerra suas atividades 15 minutos antes.
Mirante da Boa Viagem, s/nº. Niterói, RJ •CEP: 24210-390
Tel: (21) 2620-2400 • Fax: (21) 2620-2481

www.macniteroi.com.br